O ano de 2020 já anda bastante conturbado, principalmente pelas mudanças de hábitos proporcionados pelo isolamento social e a necessidade de interagir e comunicar-se à distância. Algumas empresas decolaram com seus projetos de digitalização ou foram beneficiadas pela transformação digital compulsória.

 

Nós mesmos trabalhamos utilizando a comunicação como ferramenta fundamental, mostramos a importância da comunicação integrada, produzimos e-books, newsletters de setores diárias e uma semanal que acompanhava a conversa sobre o tema no universo digital.

 

Essa provocação diária estimulou o desenvolvimento desta comunicação que você recebe hoje que tem quase um formato de dossiê, provocante e fácil de consumir. Ela é o nosso investimento em pesquisa, levantamento de insights para trazer o que está em alta no mundo, um modelo de informação estratégica, importante no ambiente da comunicação – isto é ser INSIDER RPMA.

 

A primeira edição é de tanta rivalidade quanto um clássico do futebol internacional – Brasil e Argentina – ou mesmo a disputa de cabeças nos últimos segundos dos 100 metros rasos, a prova olímpica que prestigia o homem ou mulher mais rápidos do mundo. Aqui a disputa é para conquistar o coração dos fãs das redes sociais, dos produtores de conteúdo e, claro, das marcas.

 

A grande batalha: Instagram vs TikTok

 

A rede social que nasceu quase que como um aplicativo de dublagem e diversão com música ganha cada vez mais adeptos pelo mundo e faz frente a marcas com mercado estabelecido. A agressividade do crescimento de TikTok, no Brasil em meio ao caos da pandemia, impulsionou mudanças no Instagram, uma disputa por usuários e também entre nações, com ameaças de o app chinês ser banido dos EUAs. 

 

O Instagram já está acostumado a disputas acirradas, como a que travou com o Snapchat, o que fez os filtros, hoje comuns no app do Facebook, tão utilizados.

 

Perfil Instagram

Propriedade: Facebook

País de origem: EUA

Ano de lançamento: 2010

Menções no ambiente digital sobre a rede: 21,4 milhões*

Usuários ativos: mais de 1 bilhão no mundo

 

Perfil TikTok

Propriedade: ByteDance

País de origem: China

Ano de lançamento: 2016

Menções no ambiente digital sobre a rede: 7,43 milhões* 

Usuários ativos: mais de 800 milhões no mundo

 

* publicações em português de 1 de março de 2020 a 15 de agosto de 2020 no ambiente digital (fonte: Meltwater)

 

Vantagens Instagram

 

  • Queridinho do momento das empresas, o Instagram acumulava uma média de 69 milhões de usuários no país em 2019 segundo o relatório Digital in 2019. Essa média faz com que, o Brasil oscile entre  2º e o 3º lugar de público do Instagram no mundo.
  • É também a terceira rede social mais utilizada do país, com média de 3,4 horas por dia conectado (dado pesquisa da Qualibest). Inclusive, o Brasil é o que mais consome notícia pela rede social de acordo com a Reuters. 
  • No último trimestre de 2019, o Instagram teve um volume de interações entre os usuários 20 vezes maior do que o Facebook segundo estudo da SocialBakers.
  • A rede vem inovando cada vez mais nos formatos de conteúdos e anúncios, e por isso vem apresentando uma adesão cada vez maior das empresas. Segundo o Social Media Trends 2019 o Instagram ainda é a segunda rede social mais utilizada pelas empresas (89,4%). Além de continuar em ascensão, a rede já é a que mais impacta nas estratégias de marketing (7,4).
  • Outro dado interessante é que 89% dos usuários do Instagram seguem perfis profissionais – lojas, sites, empresas em geral na rede e 50% das pessoas se interessam por uma marca quando veem um anúncio.

 

Vantagens TikTok

 

  • Segundo estudo da HypeAuditor, a taxa de engajamento dos influenciadores do TikTok no Brasil é 20% superior à média mundial. A maioria dos influenciadores brasileiros do TikTok tem entre 5 mil e 20 mil seguidores, e apenas 7,01% dos influenciadores têm mais de 100 mil;
  • Há influenciadores que nasceram na plataforma, como por exemplo Mário Júnior que ficou conhecido por fazer vídeos românticos. Seu sucesso na plataforma o fez participar de uma ação para a Leite Moça Nestlé;
  • Um dos diferenciais do app é apostar no humor para atrair o público, principalmente os mais jovens. Além disso, investir em conteúdo mais simples, incentivando uma comunicação “gente para gente” tem aproximado mais os dois mundos: marca e consumidor;
  • Outro ponto interessante é que tela inicial do TikTok não mostra somente os vídeos de pessoas que você segue ou indicadas pelos algoritmos com base nas interações de seus amigos, mas sim vídeos que podem ser interessantes para você, quer o autor deles seja famoso ou não.

 

Insights

  • Lançado no final de junho com intenção de competir com o TikTok, o Reels do Instagram permite criar vídeos curtos e traz efeitos, como áudios e dublagem, além de fazer várias sequências de takes. 
  • A ferramenta é uma evolução da função Cenas. O recurso ainda está em fase experimental, podendo sofrer mudanças até a sua fase final. 
  • Os conteúdos produzidos podem ser compartilhados no Feed, no Direct, no Stories e no Explorar, o que permite ao usuário ter um alcance maior das suas publicações. 
  • A principal diferença entre o Reels e o TikTok é duração das publicações: enquanto o primeiro tem um limite de 15 segundos, o segundo aceita posts com até um minuto.
  • O Instagram Live ganhou força com a pandemia. Hoje em dia, é possível baixar sua live ou adicioná-la ao IGTV, logo após a transmissão.
  • Segundo o Business Insider, a rede social de fotos e vídeos registrou um aumento de 70% no uso das lives – tanto para transmissão quanto para consumo, durante o mês de março deste ano. Alguns já consideram as lives o “novo horário nobre”.
  • Também em junho, o TikTok anunciou o lançamento de uma plataforma para marcas, o TikTok for Business, ainda não há uma versão em português, mas pretende auxiliar anunciantes e agências a produzir e gerenciar publicidade no aplicativo.
  • Uma das vantagens do TikTok como canal publicitário é que os vídeos patrocinados não podem ser pulados.
  • O app ainda disponibiliza o TikTok Creator Marketplace, que procura conectar marcas com criadores que mais atendam aos objetivos da campanha.
  • Enquanto os anúncios não estão disponíveis no Brasil, algumas marcas têm buscado garantir sua presença na plataforma organicamente. 
  • Casos como o dos Postos Ipiranga que estreou seu novo posicionamento “Só tem lá” na plataforma com vídeos nos perfis dos influenciadores Bianca Alencar, Gustavo Marthow e Giana Melo, já são comuns. Neles, os influencers dançavam com objetos que só eles possuem, pautados na hashtag #sotemla, que vai direcionar todas as iniciativas do projeto no meio digital.
  • A Comfort lançou o desafio abaixe um dedo, o #vidalongaásroupas check! que chamava os consumidores para compartilhar experiências com a lavagem e roupas usando a rede social.
  • Já o Guaraná Antarctica, da Ambev, fez um acordo com a plataforma e lançou uma série de 27 latas temáticas. As latas traziam uma espécie de QR Code que ao ser escaneado redirecionava os usuários para o perfil da marca no TikTok.
  • E a Nestlé resolveu usá-lo para recrutar internamente dois profissionais para a sua área de marketing do achocolatado Nescau.

 

Para acompanhar as tendências do Instagram

  • A empresa de Mark Zuckerberg tem o costume de tentar conter o crescimento de seus concorrentes. Os Stories, sucesso na plataforma, foi implementado com base no Snapchat. O IGTV veio como concorre diretamente com o Youtube. Não seria diferente com a nova rede social TikTok.
  • Segundo o The Wall Street Journal, o Instagram teria oferecido altas quantias de dinheiro para que os grandes influenciadores do TikTok publicassem seus conteúdos exclusivamente ou primeiro Reels. O jornal não menciona números e quais teriam sido os usuários que receberam a proposta, mas há uma forte disputa pela audiência e criatividade dos criadores de conteúdo.
  • O Instagram anunciou que está testando nos EUAs novas formas de monetização e isso inclui planos mais imediatos para o IGTV. A publicidade teria duração de 15 segundos e seria exibida quando o usuário optar por assistir ao conteúdo inteiro, depois de ter visto a prévia no seu feed de notícias. Segundo a empresa, 55% da receita publicitária dos anúncios será repassada para os produtores de conteúdo. 
  • A outra ferramenta apresentada pela plataforma são os Badges. A iniciativa vai permitir que os usuários paguem para destacar seus comentários durante uma transmissão ao vivo e apoiem os influenciadores. A receita será convertida inteiramente para os criadores de conteúdo.
  • Postagem no feed tem diminuído se comparado aos Stories. Isso porque o feed tem uma “pressão” de conteúdo maior pela “eternidade”.
  • O uso de AR para comércio eletrônico pela ferramenta pode ganhar relevância.
  • Usuários têm preferido conteúdo mais orgânico e autêntico do que 100% “perfeito”.
  • O conteúdo em vídeo, principalmente curtos, continua em ascensão. Em junho, 45% dos filmes publicados pelos usuários na linha do tempo tinham menos de 15 segundos.
  • De acordo com o estudo Instagram Engagement Report 2019 com base em 48 milhões de posts, os vídeos geram 2 vezes mais comentários que outros tipos de posts e também recebem o maior número de likes.
  • Quem deseja aumentar o engajamento na plataforma deve usar o Reels, devido ao boost inicial dentro do algoritmo.
  • Lembrando que o melhor termômetro para saber sobre o desempenho do conteúdo é ficar de olho no Instagram analytics. Lá é possível obter dados detalhados sobre a conta, o público, além de acompanhar os resultados das publicações/campanhas.

 

Para acompanhar as tendências do TikTok

  • O Information Commissioner’s Office do Reino Unido, um órgão de vigilância da privacidade, está atualmente investigando o aplicativo, por causa da coleta de dados de seus usuários.
  • Os argumentos contra o TikTok se baseiam na possibilidade teórica de o governo chinês obrigar a ByteDance, de acordo com as leis locais, a entregar dados sobre usuários estrangeiros;
  • Outra preocupação é com relação à censura. Alguns argumentam que sua cultura de moderação pode ser tendenciosa a favor do Estado chinês.
  • A disputa americana que poderá banir o aplicativo do País e/ou causar a venda da empresa para uma marca americana, na tentativa de manter o mercado conquistado por lá.
  • O governo americano por exemplo, assinou no início de agosto (6) um decreto que proíbe empresas americanas e americanos de fazer transações com a ByteDance caso o software não seja vendido para uma empresa americana em 45 dias.
  • Em meio a essa pressão com o governo e a disputa de ofertas de compras por outras empresa, Kevin Mayer, CEO do TikTok, anunciou no dia 27/08 sua saída em menos de 100 dias no cargo

 

Leave a Reply